Eu tenho a força!

Olá, como vão?

Um dos desenhos animados que fizeram parte da minha infância foi o He-Man. Você conhece? Eu achava o máximo quando ele exclamava: eu tenho a força! Para aqueles que não conhecem e para matar as saudades daqueles que conhecem, assistam ao vídeo abaixo – é bem curtinho.

Sem querer desiludir ninguém (kkkkkk….), sob a óptica da Física, a famosa frase do He-Man contém um erro grave e já foi tema de uma questão das Olimpíadas de Física. Ninguém pode ter a força – ela é algo que se aplica ou que se recebe. O que uma pessoa pode ter é a capacidade de aplicar uma grande força (ou resistência para recebê-la). Mas, “na moral, né ?!” seria muito chato se o He-Man exclamasse: eu tenho a capacidade de aplicar grande força! No final da frase, a criança já teria dormido.

E o termo – eu tenho bastante força muscular – está errado? Não. Porque ter bastante força muscular pode significar ser capaz de aplicar grande força. Estas aparentes contradições são relativamente comuns e estão relacionadas ao rigor necessário para cada situação. Em uma bate papo informal, a cultura, os costumes determinam os parâmetros utilizados. Na Física e, de modo geral, na Ciência, a história é diferente. Quando mais preciso for o termo, melhor, para evitar dupla interpretação.

Quem é do nordeste conhece muito bem a expressão “cabra macho”. Lá, todos sabem o que isto quer dizer. Mas se ela for usada em um trabalho científico, o leitor vai entender que ela está se referindo ao animal cabra do sexo masculino.

Sendo assim, podemos ficar tranquilos em relação à frase predileta do He-Man. No seu contexto, não há necessidade de rigor científico.

Abraço a todos,

Prof. Douglas Almeida

1 Comentário

Deixe uma resposta